Visitas

444822
HojeHoje89
OntemOntem678
Nesta semanaNesta semana2683
Neste mêsNeste mês14193
TotalTotal444822

Enquete 1

O que você mais curte no site?
 

Enquete 2

Você prefere o Fusca de qual década?
 
 
Dicas para você que quer comprar um fusca!!!! PDF Print E-mail
Saturday, 19 June 2010 13:24

O Clube do Fusca Lajeado ajuda você a escolher bem seu Fusca!!

Para uma compra segura, alguns itens devem ser observados!

 

Veja estas dicas:

 

Motor

Abra a tampa e, com* o câmbio em ponto morto e motor desligado, force a polia grande (onde vai a correia) pra frente e pra trás. Se sentir qualquer folga, o motor tem problema (caro) no virabrequim.

- Com o motor ligado, procure um cabo de aço junto ao carburador. Empurre a peça onde ele se liga* em direção à frente do carro, acelerando-o. Acelere-o devagar e mantenha em cada nível de rotação por alguns segundos. Solte rapidamente e volte a acelerar. * Se ouvir qualquer estouro ou ruído metálico, pode ser motor fora de ponto (barato), escape furado (mais ou menos barato) ou problemas de válvulas (caro).Carburadores molhados e fedendo a gasolina geralmente estão pedindo reforma ou substituição (caro). Desconfie de motores recém lavados, o que pode ter sido feito para esconder vazamentos. Observe manchas no chão da garagem onde o carro fica habitualmente. Vazamentos frequentemente têm custo de mão-de-obra meio cara, pois exigem muita desmontagem de peças para troca de juntas.

- Motores saudáveis não soltam fumaça visível pelo escape. Fumaça escura é carburação desregulada (rica). Fumaça clara azulada clara é óleo queimado, o que indica problema mais sério, possivelmente exigindo abertura do motor. Fuja. Ou negocie um bom desconto. Uma retífica completa sai entre 1500-2000 reais, dependendo do mecânico.

- Vazamento de óleo. Veja o motor por baixo e procure vazamentos. No Fusca eles são frequentes e têm vários pontos de origem possíveis. Um Fusca roda com vazamentos sem problemas, desde que se cuide o nível do óleo. Geralmente o conserto tem custo médio (em torno de R$ 150).


Mecânica geral

- Olhe o carro de frente a uns 4 metros de distância. Repita a operação por trás. Ela não deve estar com a carroceria torta para um lado, o que pode indicar feixes de mola quebrados ou facão desregulado. Desconfie de carros rebaixados. Frequentemente estes têm amassados e arranhões por baixo, o que facilita a corrosão. Verifique a forma como o carro foi rebaixado. Se foi sem catraca, com retirada de feixes de mola, a chance de quebra dos feixes restantes e o desconforto ao rodar serão grandes.

- Pedal de embreagem muito duro indica cabo em mal estado (barato) ou embreagem indo pro saco (caro). Andando com o carro em terceira ou quarta, acelere fundo. Se patinar (motor subir rapidamente de giro sem ganho correspondente de velocidade), é mais provável que a embreagem esteja ruim mesmo, embora também possa ser apenas caso de regulagem.

- O câmbio do Fusca tem engates secos e muito precisos. Se houver qualquer dificuldade de engatar uma marcha, há problemas ou na região do comando da alavanca (geralmente de conserto mais barato), dentro da caixa (conserto caro) ou embreagem desregulada ou com problemas no seu cabo de acionamento. Na dúvida, consulte um mecânico. Uma caixa à base de troca gira em torno de R$ 400.

- Experimente frear forte mas não de sôco. O carro não deve puxar para os lados ou dar "soquinhos". O que indica possível problema de freios. Logo após rodar com o carro, ponha as mãos em cada roda. Se estiver bem quente, o freio está com problemas naquela roda e precisa de reparo urgente. Para quem nunca teve Fusca, a força necessária no pedal pode parecer um pouco maior, mas isto é característica do carro que não possui servo-freio. A puxada para o lado também pode indicar problemas graves de chassi torto. Consulte um mecânico neste caso.


- Suspensão: tremores na direção indicam peças da suspensão com folga (pivôs, terminais de direção) ou falta de balanceamento nas rodas ou geometria. Conserto de custo médio. Com o carro andando, solte a direção. Ele deve seguir em linha reta. Senão, no mínimo, precisa de serviço de geometria que custa em média R$ 25.

- Amortecedores. Se a frente do carro afundar em freiadas fortes, ou o carro inclinar-se muito e cantar pneus nas curvas ou, ainda, bater "seco" ao passar por obstáculos tipo quebra-molas, possivelmente os amortecedores estão ruins. Outra sintoma é se a peça estiver melecada de óleo. Faça logo a troca, pois a estabilidade do Fusca já é duvidosa com tudo perfeito, imagine então com este problema.

- Volante: Ao começar a girá-lo, você vai notar que ele faz um pequeno movimento mais leve e então fica bem mais pesado e efetivamente começa a girar as rodas. A este movimento "leve" se chama a folga do volante. Pela característica de construção, o Fusca deve ter um pequena folga, mas se ela for de mais de 1 ou 2 cm, desconfie. No mínimo a caixa de direção precisa ser regulada. E no máximo, trocada (caro). A direção também não deve "estalar", o que pode indicar igualmente caixa condenada ou folga nos terminais.

Lataria/carroceria/pintura

- Pintura. Sempre a verifique sob a luz do sol e nunca molhada. Partes com pintura mais áspera ou porosa ou em tom diferente do resto indicam trabalho mal feito de repintura ou excesso de massa plástica. Bolhas sempre escondem ferrugem por baixo, exigindo repintura da peça. Passe um imã envolvido em pano. Se em algum ponto o imã não grudar, há excesso de massa neste ponto da carroceria, o que indica trabalho porco.

- Lata é mais caro e complicado de arrumar que motor. Olho grande! Verifique se os vãos entre as peças é igual e uniforme em ambos os lados. (exemplo: a distância da porta à coluna da carroceria). As partes mais baixas da carroceria do fusca são muito sujeitas à corrosão. Olhe o berço do estepe por dentro e por fora (chão do compartimento onde fica o estepe); o assoalho (chão) no interior do carro (tire qualquer tapete que houver) e caixas de ar. Estas são as vigas ocas que formam as bases da lateral da carroceria, incluindo o batente inferior das portas. Elas começam embaixo do banco traseiro e vão até perto dos pedais do motorista; Não seja tímido: dentro do carro, levante o carpete ou coisa que houver, junto ao assoalho e veja bem o estado da lata ali. Também levante o assento do banco traseiro (é só encaixado, mas pode exigir um pouco de força). Desconfie de assoalhos recém pintados. Saiba que uma troca de assoalho raramente custa menos de R$ 300 ou 400, ou mais. Se possível leve o carro a uma oficina ou posto com elevador hidráulico e examine o assoalho também pelo lado de fora. Outros pontos comuns de corrosão são em torno das borrachas dos vidros, porta-malas dianteiro próximo às bordas do mesmo, parte inferior das portas e por dentro das caixas das rodas.

- O fechamento das portas deve ser checado com os vidros fechados. Caso contrário, elas provavelmente fecharão com facilidade mesmo que estejam com problemas. Com a porta aberta, procure erguê-la com as mãos. Se houver folga e a porta exigir força pra fechar, os pinos das dobradiças devem estar gastos ou a fixação da porta às dobradiças está quebrada. Se não houver folga mas a porta fechar exigindo força, pode ser apenas falta de regulagem do trinco.


Elétrica

- Nos Fuscas com dínamo é normal a luz da bateria no painel ficar acesa e oscilando em marcha-lenta, pois nessa situação o dínamo não carrega bateria. Mas ao acelerar, a luz deve apagar-se totalmente rapidamente, senão é problema. Em Fusca com alternador, a luz não deve ficar acessa em nenhuma situação, exceto com o motor frio recém ligado. Desconfie principalmente se a luz se manter acesa com o motor sendo acelerado. Cnserto de alternadores geralmente são caros.

Outros

- Plaqueta de identificação. Atrás do estepe há uma plaqueta cor de alumínio com números em alto relevo. Se ela não estiver lá ou se estiver pintada na cor do carro, desconfie. No mínimo o carro teve a frente toda pintada ou teve a frente trocada e a plaqueta ficou pra trás. Ela é presa com 2* rebites bem no meios em ambos os lados. Fixação diferente: e 1986 em diante, esta plaqueta mudou de lugar, ficando na lata próxima ao velocímetro.

- Pneus hoje em dia são itens caros. Dê preferência a um carro que os tenha em bom estado. Um pneus original colocado não baixa muito de R$ 100. Verifique também se o seu desgaste é uniforme. Caso contrário, pode haver problema de regulagem de geometria ou na suspensão.

- Não importa quão bom esteja o carro se os documentos tiverem problemas. Solicite a placa e código Renavan do carro e cheque no site do Detran para certificar-se quanto a multas, restrições e alienações financeiras. Verifique o número do chassi sob o banco traseiro (basta desencaixar o assento) e veja se bate com o documento. Nem sonhe em pegar um carro sem documentos e cheque dívidas atrasadas.

- Caso você esteja procurando um Fusca mais antigo, anos 60 para baixo, e deseje originalidade, faça uma boa pesquisa quanto aos itens originais de acabamento e verifique bem o que falta no carro que pretende comprar. Este cuidado é importante porque muitas peças mais antigas são caras e/ou difíceis de achar, o que pode causar um grande custo na restauração. Uma bananinha (antigo sinalizador que substituia o pisca-pisca) pode chegar a 2 mil reais. Também cuide com os "cabritos" . Fuscas montados com peças de diferentes Fuscas. O mais comum é pegar-se um chassi mais antigo e se pôr uma carroceria de Fusca mais novo em cima. Evite estes carros. Para saber se o carro é cabrito é preciso conhecer alguns detalhes. Por exemplo: as orelinhas de ventilação atrás do vidro lateral traseiro só começaram a sair a partir de 74. Então se vc ver um Fusca 71 com esta característica, pode ser cabrito. Outro "hábito" comum era "modernizar" o Fusca trocando-se peças por de versões mais novas. Exemplos frequentes são os modelos anteriores a 79 com lanternas Fafá (grandes e redondas). Fuscas até modelo 72 devem ter farol olho-de-sapo que têm a lente inclinada pra cima. De 73 em diante, o farol é igual ao dos Fuscas modernos.


Estas são algumas dicas básicas. Elas servem apenas pra detectar algum defeitos mais caros. Muito provavelmente o Fusca que vc comprar terá outros problemas mais simples que você só notará depois.

 

 

 

E do VW Fusca.net, conseguimos mais algumas dicas valiosas para você!!

 

Seguem:

 

- Verifique o pé de coluna quanto a pontos de ferrugem (o pé de coluna é o canto inferior das portas no lado da coluna).
- Passe as mãos embaixo das portas e verifique se lá não existem pontos de ferrugem.
- Olhe embaixo do carro quanto a pontos de ferrugem na estrutura do carro, as vezes a estrutura por si só invalida a compra do carro. Lembre-se: Fusca é 70% chassi e 30% carcaça.
- O Fusca original possui uma espécie de isolamento acústico colado no assoalho, se o Fusca que voce busca não possuir essa manta de borracha é provável que o assoalho tenha sido trocado.
- Olhe embaixo dos tapetes se há alguma mangueira de passando por ali. Geralmente há uma mangueira com a fiação que vai para o cofre do motor, mas uma segunda mangueira pode evidenciar que a linha de combustível foi refeita por dentro do carro.
- Num Fusca bom as portas devem bater de maneira suave, sem fazer muita força contra o carro.
- As marcas da Volkswagen devem existir em todos os vidros e as borrachas de vidro devem conter o friso de alumínio.
- Verifique cantos de janela, principalmente embaixo das borrachas se há marcas de ferrugem.
- Abra o capô e remova o estepe. Não devem haver marcas de solda ou ferrugem na caixa de estepe.
- Verifique a plaqueta de identificação, principalmente o número do chassi quanto a remarcações. O número deve bater com aquele que fica embaixo do banco traseiro, no túnel.
- O tanque de combustível nao deve ter marcas de ferrugem.
- Entre no carro, ligue as luzes, ligue o limpador de para-brisa, pisca-alerta (se houver) e dê seta e luz alta.
- O carpete que cobre o Fusca original possui um entrelaçado natural por baixo (algo parecido com uma fibra natural). Além disso, o carpete original é de tom cinza escuro, quase preto.
- Procure por eventuais reparos com fibra de vidro, é muito comum o reparo das caixas de ar (canto inferior interno das portas) com fibra.
- Ligue o carro, verifique se há queima de óleo. É normal o Fusca queimar algum óleo na partida, mas depois de alguns segundos esta queima deve cessar.
- Olhe se a fiação dentro do cofre do motor está ok e se não há marcas de derretimento ou curto. Olhe também a fiação na frente.
- Lembre-se: O Fusca original (exceto os últimos modelos) possui dínamo e não alternador.
- O carburador não deve apresentar vazamentos de combustível.
- Retire os cabos de vela e veja se o motor possui tucho em algum dos cilindros (o contato da vela estará mais alta que o normal).
- Olhe embaixo do motor e verifique se não há coifas de câmbio rasgadas ou com vazamento (coifas são as borrachas que envolvem a ponta do eixo que sai do cambio em direção as rodas traseiras).
- Veja se não há vazamentos no eixo piloto do motor (peça para um mecânico ajudar).
- Verifique se há folga no volante virando, com o carro parado, a direção até que a roda comece a se deslocar para ambos os lados.
- Olhe atentamente o número do motor e consulte a tabela de códigos de motor no link a seguir:
http://www.fuscaclube.com.br/motores.htm
A numeração do motor não deve obrigatoriamente bater com o número do chassi, porém o código de motor (com 2 letras) deve bater com a tabela de motores. A numeração deve ainda estar intacta, sem apresentar raspados, sinais de lixa ou “tipos de letra” diferentes na mesma inscrição.
- Verifique borrachas de vedação de portas e tampas.

As dicas acima são um resumo do Fusca perfeito, mas vale lembrar que um carro como este as vezes vale a pena ser restaurado, portanto mesmo se o Fusca que você quiser comprar não apresentar todas estas condições pense bem e avalie se o investimento vale a pena.
Um Fusca de R$ 2500 com um investimento de mais R$ 3000 por exemplo não significa que você vai conseguir vender por R$ 5500.

Boa sorte com a sua compra!

 

CLUBE DO FUSCA LAJEADO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte: fórum fuscabrasil

Last Updated on Tuesday, 22 May 2012 16:39
 
Banner